Laguna 2- História

Ao Sul Conduzi o Brasil

Quem visita Laguna hoje, com sua população girando em torno de 50 mil habitantes, não imagina a importância da cidade até 200 ou 250 anos atrás.
Embora haja vestígios de passagens de homens brancos pela localidade desde as primeiras décadas após o descobrimento, visto geograficamente ser um porto natural, Laguna foi fundada, como povoamento, por bandeirantes paulistas de São Vicente, que já vinham em diferentes expedições descendo o litoral, fundando São Francisco do Sul e Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis.

mapa_tordesilhas_pq

Em 1676, chegou até ali o bandeirante Domingos de Brito Peixoto, já sujeito de posses, com seus filhos Francisco de Brito Peixoto e Sebastião de Brito Guerra. Junto com eles, índios, escravos e aventureiros colonos. Tratou de ganhar o terreno, de posse dos nativos, e erguer uma capelinha com a imagem de Santo Antônio dos Anjos. Como era hábito batizar as localidades sempre em nome de santos (como São Sebastião do Rio de Janeiro), fica assim chamada a localidade de Santo Antônio dos Anjos de Laguna.

Embora, coincidentemente, em Laguna terminasse a linha reta do Tratado de Tordesilhas, que definia o fim do território português, isso não impediria o avanço bandeirante, que se aventurava Brasil a dentro. Mas Domingos de Brito Peixoto voltou para São Vicente.

Estátua de Francisco de Brito Peixoto, em Laguna. Seus restos mortais estão na Matriz da cidade.

Estátua de Francisco de Brito Peixoto, em Laguna. Seus restos mortais estão na Matriz da cidade.

Mais tarde, o filho do fundador, Francisco de Brito Peixoto, voltou para abrir caminhos e picadas em direção ao Rio Grande de São Pedro, atual RS, e às campanhas de Buenos Aires. Em busca de minas de prata que se especulava existir nessas regiões, os exploradores deram de cara com outra riqueza: bois e cavalos criados soltos por mais de um século, resultados da implantação (e também posterior destruição) das missões jesuítas na região. O imenso rebanho atraiu colonizadores, dispostos a  se instalar em um lugar ainda distante e ermo, porém com imensas possibilidades de enriquecimento.

Laguna virou então o principal pólo irradiador da colonização do território riograndense. Na história de várias cidades do RS têm-se os colonizadores paulistas e lagunenses como elementos fundadores. Dali partiam os desbravadores e colonos, e para ali voltavam o couro, o boi ou o charque, que pelo porto partiam para São Paulo.

A autonomia dos tropeiros não poderia depender do transporte marítimo. Transportar “boi em pé” em barcos não era produtivo. Então desde cedo buscou-se fazer uma trilha por terra que saísse das campanhas gaúchas até Sorocaba, então principal ponto de comércio de gado “em pé”. Logo que o “caminho dos tropeiros” foi definitivamente assentado, uma fabulosa trilha (repetida em tempos modernos deu mais de 1.700 km), a importância de Laguna nesse comercio começou a declinar.

Mas ainda foram de Laguna que partiram muitos regimentos e batalhões para os combates do sul, como a Guerra contra Artigas, a Guerra dos Farrapos e a Guerra do Paraguai.

A Batalha do Riachuelo, do catarinense Victor Meirelles.

A Batalha do Riachuelo, do catarinense Victor Meirelles.

Nesse cenário que Anita e se criou. Laguna estava ainda como destino de passagem  de tropeiros e de embarque de cargas, mas talvez fosse um lugar de mais importância estratégica do que econômica.

Com a pacificação do sul, a definição das fronteiras e a estabilidade da colonização de todo o território riograndense, restou a Laguna seu porto protegido pelo seu estreito canal.

Mas no início do século XX, com a implantação de estradas de ferro e portos mais abertos, como o da vizinha Imbituba, a importância estratégica da cidade desapareceu. Durante muitas décadas, Laguna estacionou no tempo, cercada pela sua exuberante geografia, que enquanto a bordava de belezas, a impedia de qualquer avanço econômico. A vocação de Laguna seria turística, atividade que só se estabeleceria como força econômica décadas depois.

Talvez essa estagnação de atividades econômicas e esse “esquecimento” de Laguna pelo resto do país tenha sido a grande responsável pela preservação do casario e do conjunto arquitetônico que se mantém hoje como um valioso patrimônio. O progresso não chegou na cidade como uma onda de “novo” que derruba o “velho” impiedosamente. A situação obrigava o “velho” a se manter em pé, sem outra alternativa. Até que, quando o progresso enfim chegou, percebeu que o “velho” já tinha virado antigo, e o derrubar para modernizar seria um grande erro.

casario01

Provavelmente boa parte da população ansiava pela mudança, eu mesmo cheguei a ouvir, quando jovem, na época do tombamento do casario de Laguna: “É bom que tombem tudo mesmo, essas casas velhas, e construam coisas mais novas”. Nesse língua maluca que é o português, “tombar” de derrubar é a mesma palavra de “tombar” de inventariar, manter sob proteção histórica.

Para a alegria de futuras gerações, o “tombamento” da segunda opção foi o que prevaleceu.

casario02

Mas, lembrando a força e importância que Laguna teve na atual formação do Brasil, e da sua atuação fundamental na colonização da potência que virou seu estado vizinho do sul, o brasão da cidade, desenvolvido pelo Afonso d’Escragnolle Taunay (filho do Visconde de Taunay, e bisneto de Nicolas-Antoine Taunay, pintor trazido com Debret para o Brasil), traz entre outras coisas, a figura do bandeirante, do soldado Barriga Verde e a inscrição em Latim:

AD MERIDIEM BRASILIAM DUXI.

Ao sul, conduzi o Brasil.

Brasão de Laguna

Brasão de Laguna

Uma resposta to “Laguna 2- História”

  1. Anônimo Says:

    h

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: