“Anita Garibaldi Tour”- de Roma à Sicília

01_palermo_IMG_2330_72

O moderno e o antigo andam juntos na Sicília.

Após 5 dias de feira em Roma, além de um evento em um abrigo para crianças- cujo registro fotográfico é proibido- era hora de descer para a Sicília.

O trajeto de 800 km entre a capital e a ilha se deu em um confortável Fiat Dobló da editora, entre livros na parte de trás do furgão e muitas conversas sobre culturas italiana e brasileira.

Algumas coisas ficam claras para um brasileiro que viaja pela Europa fora do cliché de turista comum -hotéis, passeios e comércio. Quando você interage com as pessoas no ambiente profissional delas, ou está convivendo entre os nativos -e você é só mais um detalhe- se percebe alguns clichés se cristalizando e outros sendo dispensados.

                – é fato que quando me disse “brasileiro” em quase todos os lugares, fui recebido com um sorriso e certo tom acolhedor. Isso acontecia em viagens de turista, mas quando se está em um ambiente um pouco mais profissional, o padrão não muda. A aura de país idílico e exótico que corre a Europa desde 1500 ainda persiste e é o que exportamos, voluntariamente ou não. A história de “futebol, samba e carnaval” está no inconsciente coletivo. Italianos, turcos, holandeses, portugueses, tchecos e mesmo alemães costumam ser receptivos ao “bazuca”. Talvez depois dos 7 a 1, estes últimos fiquem risonhos por outros motivos.

                – ouvi na Itália, de ilustradores, editores ou consumidores de livros, frases do tipo “desculpe, não sei falar espanhol”. Nossa capital não é Buenos Aires, mas muita gente ignora nossa língua.

                – também ouvi algumas vezes “quando falaram que você era brasileiro, achei que fosse negro”. São observações sinceras, pelo que entendi, quase ingênuas, sem tom racista ou classificatório. Seria como ir conhecer um sueco, descobrir na hora que ele é negro e verbaliar a “surpresa”. Tento explicar o caldeirão de raças em que estamos metidos, e que pelo padrão europeu e americano eu sou negro, pois minha bisavó era escrava. Mas voltamos ao cliché “futebol, samba e carnaval”: são artes de excelência negra, é isso que sabem de nós, é isso que esperam de nós.

A entrada na Sicília se dá por travessia de balsa (traghetto) de Reggio-Calábria a Messina, a primeira cidade a leste, mais perto da “bota” italiana.

20161212_173342

A tradicional foto do parapeito do traghetto.

Não seria difícil uma ponte fazendo esta ligação relativamente curta, mas me explicam que os diversos interesses (donos de balsa, máfia, políticos e a cidade de Messina, que recebe porcentagem do comércio da travessia) impedem a construção da ponte.
Acho que sabemos bem como é isso.

 

 

Aos olhos de um brasileiro, a Sicília é Itália pura. Aos olhos dos italianos continentais, nem sempre.

A imagem geográfica de uma bota prestes a chutar a ilha parece ser tão simbólica quanto verdadeira muitas vezes. Conviver com o estigma de pobreza, berço da máfia,  ter um falar característico do sul costuma ser motivo de preconceito do pessoal do norte, algo parecido com o que temos aqui, apenas com as referências de direções invertidas. Isso se agrava porque em alguns momentos de crise, com sua economia mais frágil e dependência de materias-primas naturais como pesca, cultivo e produtos regionais, os sicilianos migraram em massa para outras regiões e países.

Mas a Sicília é um lugar de imensos fascínios. Foi habitada e colonizada por diversas culturas e civilizações ao longo da história, e tem traços gregos, espanhóis, africanos, árabes, italianos e catalões. A comida é deliciosa, qualquer azeitona te faz revirar os olhos, e os passeios vão desde de vestígios rupestres, passando por teatros de mais de dois mil anos, ainda utilizados, até o mais puro design moderno italiano.

Essas diferentes colonizações também deixaram traços distintos nas cidades e povoados, e, como é comum na Europa, a distância de pequenos quilômetros é suficiente para trazer diversidade de hábitos, alimentação e, obviamente, rivalidades. Siracusanos e cataneses não se bicam, e os orgulhosos cataneses, habitantes de uma cidade bastante sólida economicamente, têm rivalidade com Palermo, a capital no outro extremo da ilha, que os olha com certo desprezo. Nem precisa dizer que, neste caso palermitanos e siracusenses se aliam quando o assunto é não gostar de Catânia, isso vale para muitos aspectos, incluindo o futebol. O Palermo, com sua camisa rosa, é o time mais sólido da Sicília, mas sobe e desce de divisão com frequência. O Catânia é maior que o Siracusa, já esteve na primeira, mas ambos estavam frequentando a terceira divisão e os embates eram severos.

E estamos falando de apenas três capitais de províncias. Ao todo são nove províncias e 390 municípios. Apesar disso, a população de toda a ilha é de 5 milhões de habitantes, menos da metade da cidade de São Paulo.

O primeiro destino é justamente Catânia, mas isso fica para o próximo post.

bienvenutib

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: